PASSEIOS

Montréal

  • 37 km viajados
  • 458 notas de música
  • 05 epifanias gastronômicas

"Era o velho mundo, o novo mundo – locais para ver durante o dia e bares para curtir à noite que fizeram apaixonarmo-nos por Montréal. Transbordando de restaurantes finos e marcos arquitetônicos, pegamos uma fatia deste paraíso francófono. Trabalhamos nossas transgressões culinárias com bastante ciclismo, caminhada e dança. E quem poderia esquecer do jazz? Com certeza nós não. Quando se fala em Montréal, indulgência é o nome do jogo e o jogamos até o sol nascer."

Día 1
Beba, beba, dance
É assim que muitas ótimas histórias começam: fizemos nosso check-in no hotel, mas não qualquer hotel, no Hotel Gault na Rue Sainte Hélène. Meagan queria se refrescar, então deixamos nossas coisas e nos encontramos no lobby. A noite era uma criança, nossos lábios estavam secos e precisávamos de uma bebida. John havia lido a respeito de um lugar chamado Newton na Crescent Street. No pátio nós conversamos sobre irmos para a nossa casa, a House of Jazz. Lina, que não gosta de jazz acabou sendo convertida. A música, bebidas e risadas continuaram até tarde da noite. Com certeza pensamos em dormir, mas deixamos assim, só no pensamento.
Día 2
Pedaços da cultura
Nós devoramos vários sanduíches no almoço. O John nunca havia provado frango com abacaxi e disse que era um combo maravilhoso. Uma exaustão de comida nos levou para nosso luxuoso hotel para uma rápida soneca. Mais tarde encontramos Meagan no lobby bebendo mojitos de framboesa e olhando suas fotos. Daí alguém decidiu que seria divertido alugar bicicletas, mas não conseguimos lembrar quem. Nós só lembramos de termos alugado BIXIs e irmos para o DNA para o jantar. No menu: coelho, timo de vitela, ferns e muita música ao vivo para acompanhar com os talheres. Nós não contamos ao John o que eram os timos de vitela. Ele pareceu gostar. Enquanto passeávamos pela Old Montréal vimos fogos de artifício. Nós estávamos felizes de estarmos ali mas não conseguíamos acreditar que era tão tarde. De algum jeito conseguimos encaixar ainda sanduíches de carne defumada em pão de centeio no Schwartz’s.
Día 3
Segunda porção
Lá vamos para o mercado. É domingo de manhã e estamos saindo para o Atwater Market, olhando atentamente as bancas e comprando produtos frescos. Os morangos pareciam particularmente doces, mas nossa vontade era de algo mais substancial. Os bagels da St. Viateur estavam perfeitos – frescos, crocantes e quentes do forno. O sol estava brilhando e uma brisa quente nos chamava de volta ao Schwartz para encontrar mais locais e compartilhar mais risadas. É possível termos ganhado alguns quilos? Não. A noite começou a cair e é claro que tínhamos espaço para mais uma aventura culinária: jantar no Au Pied du Cochon. Depois do jantar tomamos drinks no Koko e brindamos os dias quentes e longas noites passadas nesta cidade magnificentemente estimulante.