PASSEIOS

Toronto

  • 41 km viajados
  • 1499 pessoas observadas
  • 57 barrigas e sacolas de compras estufad

Aproveitamos muito em Toronto. Esta metrópole dinâmica teve tudo para manter nosso interesse no nível mais alto: compras, cafés, galerias de arte, bares e uma diversidade de vistas, cheiros e sons multiculturais. As pessoas aqui trabalham muito e se divertem muito. Para nossa sorte, deixamos o trabalho para trás quando embarcarmos na balsa de Toronto Island e começamos nossa jornada no coração deste parque de diversões urbano.

Día 1
Estrelas na cidade
Ei cidade grande, estamos a caminho, a bordo da balsa Toronto Island Ferry, fazendo um tour pelo centro. Jenna foi a primeira a avistar a CN Tower à distância. Desembarcamos bem na hora do jantar, deixamos nossas bagagens e seguimos para o Financial District, dentro do Bymark, com seu belo interior e bar no pátio. Tentamos apontar todas as torres e estrelas por trás dos vidros e bebemos umas rodadas de drinks. O filé Prince Edward Island acompanhado de nhoque era a principal atração da nossa mesa. Anna amou tanto que na mesma hora fez uma recomendação online. Por volta de uma hora depois da sobremesa Mark sugeriu que caminhássemos até o Royal Ontario Museum, então passeamos pela noite e fizemos o caminho mais longo de volta ao hotel.
Día 2
Terra das maravilhas urbana
Toronto é o paraíso da arquitetura. Nós ficamos hipnotizados pelo Michael Lee-Chin Crystal, um deslumbrante anexo do ROM – Royal Ontario Museum, projetado por Daniel Libeskind. Eu acho que Jenna chorou ao ver, mas não conte isso para ela. Não conseguimos decidir o que gostamos mais no Distillery District. Foi caminhar por suas ruas de pedras, sua arquitetura vitoriana ou o fato de que tantos filmes foram filmados aqui? De qualquer maneira nós passamos a tarde falando sobre filmes enquanto caminhávamos por entre butiques, galerias,teatros e restaurantes voluptuosos. Nos abastecemos no Balzac’s, uma casa de máquinas transformada em cafeteria parisiense e Anna não perdeu tempo escrevendo outra entusiasmada recomendação. O que fazer à noite? Acabamos nos decidindo por Queen St West. Há tantas galerias de arte contemporâneas e lojas da moda que aproveitamos um jantar sem pressa no Jamie Kennedy’s Wine Bar na Church Street antes de começar a relembrar nosso dia cheio na Dundas Square.
Día 3
Caminhe. Converse. Pare.
No domingo pela manhã fomos ao Kensington Market onde tomamos um café e compramos alimentos para um piquenique. As meninas se distraíram com as compras e todos curtimos os ecléticos músicos de rua. Na verdade, o que realmente curtimos foi ver Michael tentando alguns passos de dança na frente do mercado. Com os suprimentos comprados, tudo o que precisávamos era um local para o piquenique. Nós o encontramos no parque, próximo à Art Gallery of Ontario, um prédio de Frank Gehry que nos fez conversar sobre arquitetura por algumas horas. A conversa seguiu para a “Tabletop”, uma estrutura sobre estacas concebida por Will Aslop na Ontario College of Art and Design. Tanta conversa e olhares admirados deixou-nos com sede e uma rodada de bebidas foi pedida enquanto nos aninhavámos no Czehoski. A música parecia ficar melhor conforme as horas passavam, mas também podia ser resultado das bebidas que continuavam vindo para nossa mesa. Finalmente acabamos cambaleando pela Queen Street West. Você poderia perguntar o horário, mas nenhum de nós saberia responder com certeza.